Chicago | Blog Posts

Vista Noturna da Upper Wacker Drive e o Chicago River
(Foto da janela do primeiro apartamento que morei em Chicago)

ISO 100 36mm f/7.5 @2.5 sec

Europa

Reims - A terra do Champange

A cidade com raízes medievais é adorável, com uma catedral imponente, muita história e cheia de "champagnerias" para serem exploradas. 

O bate e volta desde Paris (Gare D'est) é tranquilo e super recomendavel! 45' direto e sem nenhum segredo. 

Logo na saída da estação de trem em Reims (pronuncia "Rãns") há um escritório de turismo que oferece vários tours na região, ajudam a reservar visitas às champagnerias, etc. 



Fiz a pré-reserva das três maisons 1 semana antes via site e confirmação posteriormente via email. Tudo super ágil e cordial. A Ruinart foi a única que solicitou pagamento antecipado de €70. Como fui sozinha, 1 semana de antecipação funcionou, mas para grupos maiores a recomendação é fazer a reserva com pelo menos 2 semanas de antecedência.

Em Reims, como em toda a França, pouca coisa abre antes das 9h30am. Como cheguei cedo, a única atração aberta era a catedral, que fica há uns 15' a pé estação de trem. A visita valeu a pena. A catedral tem séculos de história, foi palco de coroação de vários reis franceses e foi quase destruída na Primeira Guerra Mundial. 




















Depois da Catedral, segui para a primeira champaneria. Fui a pé porque estava com tempo e porque várias champagnerias ficam dentro da cidade mesmo. Mas dá para fazer o trajeto de taxi tranquilamente. Há mais 250km de caves (túneis) em Reims. Os túneis originalmente eram minas de calcário e foi o monge Ruinart que percebeu que esses túneis tinham a temperatura e umidade ideais para produção de chamapgne. A bebida caiu no gosto da aristrocracia francesa, que de riqueza sabia tudo e de besta não tinha nada. O resto é história....



As visitas foram uma progressão não intencional, tanto no sentido de qualidade da champagne como do tour. A Pommery forma um grupo enorme e o tour é relativamente curto. Mas as caves são bastante impressionantes. Já na G.H.Mumm, famosa por patrocinar a Fórmula 1, tinha um grupo menor e a guia foi a mais bacana e versátil. Finalmente a Ruinart foi super luxuosa, com recepção personalizada, um tour bem mais aprofundado na arte de fazer champagne e a degustação final com mais opções.

Curiosidades que aprendi: 

  • Champanhe podem ser feitas com três tipos de uvas Pinot Noir, Chardonay e Pinot Meunier. As champanhes podem ser puras ou mistura dessas três uvas. A mais sofisticada e marcante é a Pinot Noir, seguindo da Chardonay e finalizando com a Pinot Meunier.
  • Cru significa o nome da vila de onde vieram as uvas. Existem aproximadamente 300 cru na região de Champanhe sendo que alguns deles são considerados top-top cru. Assim, quando o rotulo da champagne indica "Grand Cru", significa que a uva tem a melhor procedência possível. Há 17 Grand Crus, 43 Premier Cru e outros Cru.
  • Champanhe é considerada vintage quando a safra daquele ano rendeu uva em perfeitas condições de temperatura e umidade. Normalmente a Champagnes vintage tem alguma característica inovadora ou diferente das outras linhas da maison.
  • Champanhe cuvèe é quando a champanhe é envelhecida por muitos anos e fica quase um vinho com um pouco de gas mas tem menos bolhas. 

Resumo das champgnerias que visitei:

RUINART
4 rue des Crayères
Tour - 2h, quase 3 se o grupo for interativo
€70, inclui 1 taças de Chamapgne regular e 1 vintage
34 rue du Champ de Mars
Tour - 1h15
 €20, inclui 1 taça de champanhe 

POMMERY
Tour - 1h
121 Boulevard Henry Vasnier
 €20, inclui 1 taça de champanhe 































RUINART


Viagem e post atualizado em Outubro/16