Captar a essência, inspirar viagens

Achei esse texto brilhante na blogosfera e resolvi compartilhar porque representa exatemente meu sentimento sobre viajar & escrever sobre a viagem. 

Aliás, o Fatos & Fotos de Viagem e os textos do Arnaldo Interata são absolutamente inspiradores, com posts honestos, inteligentes, engajados e desprovidos de viés já que o blog não tem nenhuma prentesão comercial ou patrocínio.

Vale a pena ler!

Captar a essência, inspirar viagens

VIAJAR é fácil, não requer prática nem habilidade, talento ou competência. Para sair de casa nada mais precisamos do que desejo e disposição. Viajar com arte - olhando para o destino com a vista desembaçada, com a mente aberta para o mundo e os povos -, isto é o que demanda aprendizado e dedicação. Os viajantes que assim o fizerem, sempre retornarão melhores do que foram.

VIAGENS enriquecem o espírito, aprimoram a cultura e acentuam a educação. Conhecer outros países, cidades e povos amplia para o bem nossa maneira de enxergar e compreender o mundo e as pessoas. Viajando - e observando com sensibilidade o que se vê - nos tornamos mais complacentes, menos pretensiosos, deslimitamos nossos horizontes e atenuamos aquela tendência natural à pretensão e ao preconceito que (quase) todo ser humano carrega consigo. 

NÃO há nada melhor do que viajar conhecendo antecipadamente um pouco da cultura, da história e dos costumes dos lugares que visitaremos. É a maneira mais eficaz de potencializarmos os prazeres de uma viagem. Quando as planejamos adequadamente, tudo tende a correr bem e as surpresas revelam-se agradáveis. Todo o nosso tempo é naturalmente dispendido em conhecer, ver, absorver e aproveitar. Já o tempo gasto na resolução de contratempos decorrentes da falta de planejamento é tempo perdido, dsperdiçado. Costumo dizer que programar uma viagem é quase tão bom quanto vivenciá-la. 

ESCREVER sobre destinos não deve ser apenas recomendar um bom lugar para dormir, onde ir, o que ver, o que comer e como locomover-se. Guias de viagens precisam conter algo além do que é prático e comum, aquilo que leve o leitor a perceber a essência do lugar, a inspirá-lo, motivá-lo a explorá-lo. Deve promover um destino, um país, a cidade, um povo, sua cultura e seu patrimônio. 

Arnaldo Interata